A corporação baseada na sustentabilidade descobriu que as lentilhas poderiam ser convertidas em farinha nutritiva, de sabor neutro e sem glúten.

 

A empresa israelense Gavan Technologies desenvolveu um novo processo de extração de proteínas vegetais ambientalmente amigável, a empresa anunciou na terça-feira.

A empresa baseada na sustentabilidade descobriu que as lentilhas poderiam ser convertidas em farinha nutritiva, de sabor neutro e sem glúten, de acordo com um relatório recente.

“A extração de um isolado proteico de 92% de alto perfil rendeu componentes de valor adicional, incluindo carboidratos complexos, fibras, minerais e gordura”, disse a empresa. Em outras palavras, proteínas e outros componentes valiosos de uma planta podem ser extraídos para criar uma farinha nutritiva – tudo isso sem deixar resíduos para trás.

“Nenhuma parte da planta fica de fora”, afirmou Itai Cohen, CEO e co-fundador da Gavan. “Nossa nova plataforma tecnológica em várias etapas nos permite tomar qualquer fonte vegetal, isolar e extrair várias proteínas e outros componentes valiosos até que a fonte seja totalmente consumida”. Cohen, um empresário de alta tecnologia, disse que o lançamento gradual do produto no mercado será até 2023.

“Nenhuma parte da planta é deixada de fora”. Itai Cohen, CEO e co-fundador da Gavan

O avançado método de extração do Gavan completa a prática de sustentabilidade da reciclagem, segundo o relatório, e pode ser aplicado a qualquer fonte de proteína vegetal, desde soja, grão de bico, lentilhas, algas e outras.

A empresa também foi capaz de derivar com sucesso vários produtos da spirulina, um colorante azul vibrante e rico em proteínas.

“A inovação na produção de proteínas alternativas concentra-se predominantemente em encontrar fontes mais exóticas de proteína e processá-las em alternativas mais inovadoras e mais palatáveis às proteínas animais”, afirmou Cohen. “Muitos dos métodos, no entanto, não conseguem reunir o valor total da fonte vegetal em termos de componentes funcionais e bondade holística. Eles acabam desperdiçando material valioso”.

 

O que tem sido feito até agora?

Processos químicos multifásicos mais antigos levam a perdas intrínsecas de rendimento e qualidade em cada etapa, de acordo com o relatório, levando a uma degeneração significativa em qualidade e lucro. Isto torna os métodos de transformação caros, tanto para uma empresa quanto para o meio ambiente.

“O problema não é a fonte nem o produto; o problema está dentro do processo”, disse Cohen. “Ser sustentável e circular é parte integrante do nosso modelo de negócios”.

A novidade do produto Gavan reside em sua fixação a problemas sensoriais que podem surgir de outras proteínas de origem vegetal – aquelas associadas ao sabor, odor e cor.

 

Como copiar a coisa real

De acordo com o website da Gavan, a neutralidade do produto fornece soluções para empresas de alimentos e bebidas que buscam enfrentar desafios de textura, funcionalidade e cheiro, permitindo à indústria alimentícia oferecer a seus clientes um produto mais limpo, mais saudável e mais atraente.

A abordagem holística da Gavan está no aproveitamento das características da planta, uma alternativa às anteriores proteínas de origem vegetal que sacrificam o valor nutricional por apelo. A tecnologia da empresa extrai proteínas de origem vegetal, mantendo os componentes naturais da leguminosa e preservando sua alta funcionalidade, de acordo com o website da empresa.

“As proteínas mantêm sua forma original – não há nenhuma modificação resultante em sua estrutura física. Todas as qualidades nutricionais e funcionais da fonte são totalmente preservadas”, explicou Cohen.

O processo de modificação da empresa – que envolve calor zero a mínimo – aproveita as características saudáveis da planta para produzir cores naturais, isolados de proteínas, intensificadores de sabor e substitutos de glúten, de acordo com o relatório. O resultado é um rótulo totalmente natural, livre de OGMs, limpo e um produto confiável.

“Durante a última década, os agentes da indústria alimentícia têm mudado conscientemente seus processos industriais para padrões mais sustentáveis”, disse Cohen. “Os consumidores querem saber como seus alimentos são fabricados, de onde vêm os ingredientes e qual é a pegada ambiental dos produtos que estão comprando”.

 

Olhando para o futuro

A nova tecnologia da Gavan é um grande passo na produção sustentável de proteínas de origem vegetal – processos mais tradicionais podem resultar em até 80% do recurso natural que vai para o desperdício.

“Nossa tecnologia significa uma mudança de paradigma, demonstrando como o foco na produção sustentável e circular permite maior eficiência e apresenta um modelo econômico melhor”, afirmou Cohen. “Isto, para Gavan, define um impacto verdadeiro, positivo, ecológico – e econômico – e torna a sustentabilidade lucrativa”.

 

Fonte: The Jerusalem Post